Você está aqui: Página Inicial / Sobre a Câmara / Notícias / Clécio quer que a próxima reunião da CDTC seja realizada na Câmara

Clécio quer que a próxima reunião da CDTC seja realizada na Câmara

por Silvana Brito Martins publicado 18/05/2017 14h25, última modificação 18/05/2017 14h38
Clécio quer que a próxima reunião da CDTC seja realizada na Câmara

Foto: Alberto Maia

O representante do Legislativo Municipal na CDTC- Câmara Deliberativa do Transporte Coletivo, vereador Clécio Alves (PMDB) pediu, em nome dos vereadores presentes à reunião daquele colegiado,  que a próxima reunião seja realizada na Câmara de Goiânia. Vinte e três parlamentares participaram do encontro que aconteceu  na manhã desta quinta-feira,18, na ACIAG- Associação Industrial e Comercial de Aparecida de Goiânia.

A Câmara deliberativa se reuniu, pela primeira vez este ano, com o objetivo de debater questões relativas ao transporte público da região metropolitana de Goiânia. O prefeito Iris Rezende e o Secretário Municipal de Planejamento Urbano e Habitação, Agenor Mariano, justificaram ausência alegando compromissos agendados em Brasília.

O pedido para que a próxima reunião aconteça na sede do legislativo Goianiense foi feito ao presidente da CDTC, Gustavo Mendanha, prefeito da cidade de Aparecida de Goiânia, que se comprometeu a realizar reuniões permanentes para discutir a melhoria da qualidade do serviço de transporte público. A próxima  reunião já foi agendada para o dia 12/06.

Mendanha pediu ao presidente da CMTC- Companhia Metropolitana de Transporte Coletivo, Fernando Meirelles,  técnicos para assessorar as reuniões da CDTC. A mesma medida foi solicitada ao Secretário Vilmar Rocha, da SECIMA-Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura, Cidades e Assuntos Metropolitanos e, também ao presidente da AGR-Agência Goiana de Regulação, Ridovaldo Chiareloto.

TARIFA

A discussão sobre aumento tarifário não foi colocada na pauta de discussão, como previsto anteriormente, em razão da promessa divulgada nas redes sociais pelo governador Marconi Perillo, de garantir o subsídio da gratuidade do passe escolar e assim evitar o aumento da passagem de R$ 3,70 para R$ 4,00 como queriam as empresas do transporte coletivo. O presidente da CDTC afirmou que espera agora, a oficialização do que foi prometido pelo Governo.

O presidente da CDTC, Gustavo Mendanha, abriu a pauta da reunião com a divulgação de 10 itens a serem discutidos. Entre as medidas solicitadas está a climatização dos veículos, maior número de ônibus na frota e veículos novos, manutenção dos organizadores de fila, principalmente nos horários de pico,  entre outras.

Clécio Alves (PMDB) que preside a CEI-Comissão Especial de Inquérito do transporte Coletivo da Câmara Municipal,  agradeceu “em nome da população” o fato do presidente realizar uma sessão aberta. “Isso é agir de acordo com o interesse público”, afirmou.

O parlamentar apresentou uma série de reivindicações levantadas pelos membros da CEI. Todos os itens dizem respeito à melhoria da prestação do serviço ofertado pelas empresas e que é alvo de críticas unânimes dos usuários. Entre as medidas a serem cobradas está a  melhoria  para os trabalhadores do transporte, reformas dos abrigos nos pontos de ônibus, aumento da frota de veículos, reforma dos terminais, acabar com os atrasos, acabar com a superlotação, disponibilizar Wi fi nos coletivos,   flexibilização das tarifas e garantir segurança aos usuários.

O prefeito de Senador Canedo - Divino Lemes, assim como Felisberto Tavares, Secretário Municipal de Trânsito, Transporte e Mobilidade-SMT, o vereador Clécio Alves e o deputado estadual Marlúcio Pereira elogiaram a “transparência” dada ao encontro  e parabenizaram Mendanha por realizar uma reunião aberta , com participação de vereadores e imprensa.

Todos reafirmaram ao presidente da CMTC Fernando Meireles e ao presidente da CDTC, Gustavo Mendanha, a necessidade urgente de se promover uma melhor qualidade nos serviços ofertados à população de Goiânia e  região Metropolitana. Indagado de como ficariam estas melhorias cobradas pela CDTC , (já que não vai mais haver aumento da tarifa), Mendanha respondeu que a Câmara Deliberativa  continuará cobrando.

Já o presidente da CMTC, Fernando Meireles afirmou que a companhia vai propor o aumento de 1% para 2% dos repasses das empresas para a CMTC  para que ela possa cumprir o papel de fiscalizadora do transporte coletivo.