Você está aqui: Página Inicial / Sala de Imprensa / Notícias / 8º Encontro de Valorização da Mulher abre segundo ano da campanha “Não Vai Ter Psiu!" na PUC

8º Encontro de Valorização da Mulher abre segundo ano da campanha “Não Vai Ter Psiu!" na PUC

por Marcos Teixeira Wanderley publicado 09/03/2018 12h50, última modificação 09/03/2018 15h11
       O 8º Encontro em Defesa e Valorização da Mulher da campanha “Não Vai Ter Psiu!” e projeto Semeando a Paz, realizado na noite desta quinta-feira, 8 de março, Dia Internacional da Mulher, na Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO), reuniu centenas de pessoas para assistir à roda de conversas com o tema “Violência doméstica: o que vem depois?”. O evento foi o marco inicial das atividades de 2018, segundo ano da campanha instituída em março de 2017 pelo vereador Andrey Azeredo (MDB), presidente da Câmara Municipal de Goiânia. 
     O Encontro foi realizado no auditório da área 1 da PUC, no Setor Universitário, e reuniu professores e representantes da PUC, estudantes e membros da comunidade. Foram abordados na roda de conversas temas como tipos de violência doméstica, os traumas e efeitos advindos das agressões, a recuperação das vítimas, as motivações dos agressores e as responsabilidades de ambos dentro das relações afetivas, dentre outros. 
       Ao abrir o evento, Andrey Azeredo ressaltou a importância da campanha “Não Vai Ter Psiu!” e do projeto Semeando a Paz na defesa das causas femininas. Ele lamentou que, dentre as centenas de pessoas presentes no auditório, poucas fossem homens: “Nosso esforço é o de conscientizar e mobilizar também os homens e os meninos. É fundamental o papel da família nisso. A mudança de comportamento que queremos ver no mundo começa na criação com direitos iguais para meninas e meninos.” Ao finalizar seu discurso, o presidente destacou duas palavras quer ele considera essenciais para essa luta e para outras questões humanitárias: “Resistência e União. Precisamos seguir debatendo, tratando do assunto, educando e dando bons exemplos de respeito e tolerância para as crianças e cobrar do Poder Público, em todas as instâncias, estruturas de combate à violência, de suporte às vítimas, de tratamento e punição aos agressores e de estratégias para a superação desses traumas.” 
      Papo dinâmico e aberto
      Nesta segunda parceria com a PUC (em outubro de 2017 a instituição sediou o 6º Encontro da campanha), o evento teve um formato dinâmico com uma roda de conversas que permitiu a participação, no final, de estudantes de diversos cursos que tiraram dúvidas e expuseram suas opiniões. 
      O debate foi aberto pela moderadora, a professora Luciene Campos Falcão Silveira, mestre em Psicologia e coordenadora do Programa Interdisciplinar da Mulher, Estudos e Pesquisas (Pimep). Luciene agradeceu pela iniciativa do presidente Andrey e  destacou a importância de parcerias de instituições como a Câmara com as universidades e outros segmentos em prol de causas humanitárias. Ela presenteou Andrey com livros do Pimep e abriu as atividades com vídeos sobre a origem do Dia Internacional da Mulher, com depoimentos de vítimas e dados sobre a violência contra as mulheres no Brasil. 

      A professora Ilma Araújo, presidente da Associação Projeto Semeando a Paz, parceira permanente da “Não Vai Ter Psiu!”, fez um discurso muito contundente e que emocionou os presentes relatando uma história pessoal de luta e superação. Foi muito aplaudida e deu o tom do evento, que foi permeado por histórias dolorosas, mas também por narrativas de coragem, esperança e união entre as pessoas para vencer a violência e a intolerância. A psicóloga, terapeuta conjugal e familiar e mestre em Psicologia Clínica e Cultura, Florença Ávila de Oliveira Costa, falou de estudos e abordagens acadêmicas sobre o assunto e elogiou a iniciativa de se levar esse tipo de debate para estudantes e também para a comunidade em geral. 
     A psicóloga e professora Vera Lúcia Morselli, criadora e coordenadora desde 2002 do Programa “Em Nome da Vida” de extensão permanente e uma das fundadoras da Associação Centro Oeste de Terapia Familiar (ACOTEF), falou sobre relações abusivas, masculinidade e paternidade, álcool e outras drogas, do ciclo da violência e como rompê-lo, do trabalho desenvolvido por ela com homens que cometeram violências contra mulheres, do despreparo que ainda existe no Poder Judiciário e em muitas forças policiais para cuidar desses casos, como os filhos podem perpetuar a violência que vêem em casa e que os políticos precisam enfrentar e debater seriamente os problemas de violência de gênero. “Temos que educar nossos filhos, homens e mulheres, para respeitarem todos os seres humanos.” 
      Vera Morselli também citou a importância de profissionais de áreas como psicologia, serviço social, enfermagem e direito, dentre outros, no trabalho com quem agride e quem sofre agressão e as responsabilidades de cada um nas relações afetivas. “Vamos dar continuidade a esse debate o ano inteiro, sempre”, conclamou ela.

Com informações da assessoria de imprensa da Presidência
registrado em: