CCJ ouve secretário municipal de Educação

por Heloiza Amaral Nogueira publicado 19/12/2018 11h20, última modificação 20/12/2018 09h07

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) ouviu, nesta quarta-feira, 19, o secretário municipal de Educação e Esporte, Marcelo Ferreira Costa, sobre a transferência de crianças de 4 e 5 anos dos Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs) para escolas e a nova modulação dos professores da rede municipal. Sobre o caso dos CMEIs, o secretário afirmou que as escolas serão adaptadas até fevereiro para receber as crianças, incluindo o remanejamento dos profissionais adequados, como os agentes educacionais. Segundo ele, das 3 mil vagas que serão abertas nos CMEIs em 2019, 800 resultarão dessa alteração, prevista em Lei.

A presidente da CCJ, Sabrina Garcêz (PTB), responsável pela convocação do secretário, questionou as afirmações, destacando que as escolas não têm condições de receber crianças de 4 e 5 anos e que dois meses não serão suficientes para todas as alterações. De acordo com ela, a alternativa será procurar novamente o Ministério Público, para evitar que crianças e mães sejam prejudicadas. Sabrina propôs adiar a mudança por seis meses, mas a sugestão foi recusada pelo secretário.

Sobre os professores, Marcelo explicou que há excedência de profissionais em algumas escolas e déficit em outras, por isso estão ocorrendo as transferências. Para Sabrina, a questão é priorizar os professores com mais tempo de atuação na casa. Segundo ela, estão remanejando professores com mais de 15 anos de casa e mantendo novatos. O problema foi destacado pelos profissionais que estiveram presentes na reunião, indignados com as mudanças realizadas pela secretaria.

A transferência das crianças de CMEIs para escolas e a insatisfação dos professores serão investigadas, a partir de fevereiro, pela Comissão Especial de Inquérito (CEI) da Educação. Além disso, de acordo com Sabrina, os vereadores analisarão as licitações realizadas pela secretaria. (Foto: Heloiza Amaral)