Dra. Cristina contesta secretária municipal de Saúde sobre ações de combate à Covid-19

por Da Redação publicado 03/07/2020 13h23, última modificação 03/07/2020 13h23

A vereadora Dra. Cristina (PL) presidiu, nesta sexta-feira, 3, a pedido da vereadora Priscilla Tejota (PSD), a reunião da Comissão de Saúde da Câmara que recebeu a prestação de contas da secretária Fátima Mrue sobre o último quadrimestre de 2019. De acordo com Fátima, a Prefeitura de Goiânia aplicou 19,67% de recursos próprios na saúde, índice superior aos 15% previstos na Constituição Federal. As despesas empenhadas com ações e serviços públicos foram de R$ 604.989.713,20 e pagas R$ 596.833.789,80. Os vereadores, no entanto, estavam mais interessados em saber sobre os recursos aplicados no combate ao coronavírus na capital e pediram que a prestação de contas do primeiro quadrimestre de 2020 seja feita em caráter de urgência.

Dra. Cristina contestou as afirmações feitas pela secretária a respeito das ações do município na pandemia. Segundo a vereadora, ao contrário do que afirmou Fátima Mrue, os servidores da Saúde não têm protocolo para atuar e não receberam treinamento sobre a Covid-19. Cristina destacou também que muitos profissionais alegam que não conseguiram fazer o teste da doença, mesmo lidando com casos confirmados em suas unidades. Outro ponto questionado pela vereadora foi sobre a desinfectação das unidades. Cristina disse à secretária que visitou várias em que faltava o principal produto para higienização, colocando em risco a vida de servidores e pacientes.

Sobre a contratação de buffet para reuniões de até 50 pessoas, depois de declaração de calamidade pública, durante pandemia, Fátima Mrue afirmou que o processo de licitação ocorre a pedido do Conselho Municipal de Saúde, para realização de plenárias. O valor destinado ao buffet será de R$ 90 mil. A secretária explicou também que a transferência de pacientes com Covid-19 de UTIs da Maternidade Célia Câmara para o Gastro Salustiano (privado) foi determinada por ela, já que apenas na maternidade há possibilidade de isolamento de pessoas que aguardam resultados da doença. Após confirmação, eles seriam transferidos, para que não faltem vagas a novos pacientes.

Texto e foto da assessoria de comunicação da vereadora Dra. Cristina