Você está aqui: Página Inicial / Sala de Imprensa / Notícias / Mauro Rubem recebe parlamentares do Congresso, em audiência virtual, para discutir reforma administrativa federal

Mauro Rubem recebe parlamentares do Congresso, em audiência virtual, para discutir reforma administrativa federal

por Guilherme Machado publicado 07/05/2021 19h55, última modificação 07/05/2021 22h39
Mauro Rubem recebe parlamentares do Congresso, em audiência virtual, para discutir reforma administrativa federal

Foto: Mariana Capeletti

Mauro Rubem (PT) discutiu numa audiência pública virtual na manhã desta sexta (7) a Proposta de Emenda Constitucional nº 32/2020, conhecida como reforma administrativa federal. O vereador explicou que ela atinge todos os entes federativos e pauta, entre suas mudanças, pelo fim do concurso público, do regime jurídico único e da estabilidade no emprego, flexibiliza os contratos de serviço com o setor privado e aumenta o poder do Executivo para alterar o quadro de cargos públicos do Estado. “Isso retrocede à época do Estado como poder central, em que não há a impessoalidade. Sem o concurso público, o povo não pode participar pela sua capacidade, mas somente os indicados, apadrinhados e os parasitas políticos”, criticou o vereador. 

Ele afirmou que a PEC 32, idealizada pelo ministro Paulo Guedes, é apresentada pelo governo federal como uma revolução na forma como o Estado pode enxugar suas despesas e melhorar o serviço público. Ela segue as orientações ultraliberais do estado mínimo, que torna o serviço público algo lucrativo, tirando seu princípio social. “A reforma escolhe como alvo o servidor público, enfraquecendo a sua relação de trabalho com o Estado e comprometendo a qualidade dos serviços prestados, principalmente aos mais pobres. Para isso, usa-se da desconfiança construída em torno da figura do servidor público e do imaginário de infindáveis privilégios atribuídos a ele. Essas ideias são defendidas quando o ministro diz que servidores se igualam a parasitas, por exemplo, dando subsídio para promoverem ataques a direitos e garantias dessa classe de trabalhadores”, acrescentou. 

Segundo o vereador, o servidor não é o responsável por quebrar o orçamento público, segundo a Auditoria Cidadã da Dívida. A maior parte do orçamento federal pago em 2020 foi destinado a pagamento da dívida pública. “Esses gastos, que validam interesses de especuladores nacionais e estrangeiros, atingiram R$ 1,3 trilhões, aumentando de 33% em relação ao ano anterior.” 

Mauro Rubem disse ainda que, caso a PEC seja aprovada no Congresso, haverá “a volta de funcionários apadrinhados e a precarização das formas de contratação de trabalho, tornando-os vulneráveis a assédio moral e fragmentação diante de cargos de chefias”. “As mudanças vão afetar áreas como educação, o SUS, o INSS, os bancos públicos, entre outros que a população mais depende para ter acesso aos serviços essenciais. É preciso simplificar esse assunto e levar para a população entender que o avanço da PEC 32 pode destruir os serviços públicos de saúde e educação, provocando a diminuição ou até a extinção das universidades federais”, alertou. 

Participou da audiência o deputado federal Rubens Otoni (PT). Ele disse que a proposta de reforma administrativa foi apresentada para agradar o mercado e o sistema financeiro internacional. “Esta reforma não melhora a administração, como se espera. Ela nada mais é do que o desmonte do serviço público no nosso país para atender os interesses do mercado privado.” Ele lembrou que o fim da estabilidade deverá aumentar a corrupção entre funcionários públicos. “Sem estabilidade, o servidor ficará a mercê da corrupção porque estará sob a pressão dos gestores do momento.” 

Ele informou que, atualmente, o projeto encontra-se na Comissão de Constituição e Justiça. “Nós temos conseguido fazer um trabalho de união das oposições na CCJ e temos conseguido segurar a proposta, pois não conseguiram aprovar a admissibilidade dela ainda. Isso é importante para dar tempo de conscientizar a população e alertar o que está por trás desse projeto.” 

O senador Paulo Paim (PT) enviou um vídeo comentando que a PEC 32 prevê a redução de jornada de trabalho e salários, o que vai diminuir a prestação de serviço à população, seja na saúde, na previdência ou na educação. “É necessário a mobilização de todos para lutar contra a redução dos direitos sociais da nossa gente”, disse ele.

Já o secretário adjunto de relações de trabalho da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Pedro Armengol afirmou que a reforma administrativa vai “muito além de um mero ataque aos trabalhadores do serviço público”. “Ela quebra o pacto social assinado na Constituição de 1988, que é de o Estado ter responsabilidade social e devolver os impostos arrecadados pela população em forma de bons serviços de saúde, educação, segurança, etc.” 

Ele também alertou que é falso que a PEC não atingirá os servidores públicos atuais. “A proposta atual não é a reforma em sua plenitude. Ela é a abertura da porteira para passar a boiada, como disse em abril o ministro Ricardo Salles, porque o ataque será muito mais grave quando houver a regulamentação da PEC depois de aprovada, por meio de projetos de lei, que exigem quórum bem menor para serem aprovadas.”

Mídias Sociais
Frente Vacina para Todos

Plano Diretor
Ouvidoria da Mulher
Canal do Cidadão - E SIC

Mídias Sociais
Plano Diretor

planoDiretor.jpg

Prevenção é o melhor caminho
Concurso Público
Portaria de Regulamentação do Estágio

Regras do Estágio

TV Câmara

TVCâmara

Ouvidoria da Mulher

Ouvidoria da Mulher

Acesso a Informação

Acesso a informação

TV Câmara

TVCâmara

Notícias da Presidência

NoticiasDaPresidencia